Treino é jogo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Ahn? Acabou o jogo? Um instante, já volto. Xeu banhar o rosto aqui. Acabei pegando no sono. Saporra de acompanhar jogo-treino… Só nós mesmo, de tanto amor envolvido.

E o pior é que o Flamengo não jogou mal. Não… Jogou sim, mas não aquele Mal com “m” maiúsculo. Sabe, né? Aquele jogo pavoroso em que bate um desespero ali por volta dos 5 segundos do primeiro tempo e permeia até o dia seguinte. Só que também não jogou bem. E olha que nesses dias após o jogo de quarta, eu, você, geral ficou esperando um Flamengo nível primeiro tempo contra o São Paulo, só que acertando a pontaria e sem atitudes inconsequentes na cozinha.

Só que no raciocínio frio, o nosso “prano” basicamente delineava: se joga igual, e o adversário é mais fraco… Pimba. Vai dar liga e de repente a gente até devolve a goleada do primeiro turno.

E o Atlético nem veio de 11-0-0. Em muitos momentos até apresentou uma marcação adiantada até meio serelepe. Não sei se isso foi planejado no vestiário ou “uzdoido” olharam uns pros outros em campo, vendo que o Flamengo não saía pro jogo com aquele ímpeto todo e cogitaram um: “bora nós então?”.

O Bruno Henrique fez o gol ao apagar das luzes no primeiro tempo, e o empate dos caras veio ainda no início do segundo, com uma marcação frouxa frouxa da nossa zaga, com o Léo Pereira dando aquela garfada na sopa e ficando na saudade.

Ok… A gente esbarrou também na boa atuação do Jean. Em uma das defesas a bola ainda explodiu no travessão, em algumas outras ele fez o trabalho sozinho. Mas não foi também aquele tipo de desempenho que nem o do Tadeu do Goiás no último jogo contra nós. Não dá pra creditar a perda dos dois pontos a isso.

O que faltou então? De um modo geral, faltou La Intensidad e também um pouco de pontaria no arremate final. De um modo específico, aconteceu uma coisa que já vem sendo previsível quando a gente conta com isso pra resolver determinada situação que envolva estufar as redes adversárias: Tinha um Lincoln no Meio do Caminho. No Meio do Caminho tinha um Lincoln.

Quando ele entrou um brother meu, o Ricardo, comentou irônico aqui nas mesas do BoTTeco: “Ceni meteu O Nove. Tá avisando que quer ganhar o jogo”. Ao qual eu rebati: “Então tá avisando duas coisas: que quer ganhar o jogo, e também que acredita em Papai Noel”.

E aí deu no que deu. Ele podia ou ser bom de bola, ou se tacar e entrar junto com a redonda nas redes adversárias. Optou por fazer com que a gente lembrasse da Final do Mundial com sua marca registrada, alardeando: “EU (ainda) ESTOU AQUI!!!”. Depois ainda descontou a falta de tino para o gol na pobre da trave, que não tem nada com isso.

Foi ruim? Nem tanto. Brasileirão a gente recupera em algum momento. Agora… Gabigol saindo com dores na perna, Pedro com sei lá o que vindo da Seleção, e você já leu/viu/ouviu por aí que quem deve ficar com essa responsa na quarta é ele mesmo, O Lincoln. Isso sim é de preocupar.

A esperança, já que não veio com maiores detalhes, é que o Pedro apenas tenha ficado horrorizado com o futebol da Seleção no jogo contra a Venezuela e tenha decidido: “Dá pra mim não. Tô fora. Vou mandar um migué aqui e #PartiuFlamengo”.

E o saldo final é esse. Atlético se isolou na liderança. Agora é pensar na decisão de quarta e ver até lá quem tem condições de jogo.

Bora classificar.

Isso aqui é Flamengo.

 

mercioquerido@gmail.com
Facebook e Instagram: Mercio Querido
Twitter: @sorinmercio.

 

Está Gostando do Conteúdo ? Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leitura Recomendada

Bem vindo a História do Redação