O melhor Flamengo que eu já vi jogar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Nasci em fevereiro de 1985, não tive a oportunidade de ver o Flamengo que encantou o mundo, seja empilhando títulos nacionais ou ganhando de 3 a 0 do Liverpool na final do Mundial.

Cansei de ouvir histórias, ver vídeos, ler reportagens sobre um Flamengo que impunha medo em quem o enfrentasse, que não tomava conhecimento de seus adversários, sejam eles quais fossem.

Nos relatos de quem viveu esse período, era comum ouvir a seguinte frase: Os times vinham enfrentar o Flamengo torcendo para perder de pouco.

Imagina isso? Imagina torcer para um time desses. Devia ser muito fácil e muito bom ser flamenguista nessa época. Estar no Maracanã com mais de 100 mil pessoas já sabendo que a vitória era certa.

Confesso que em meio às minhas divagações, uma pontinha de inveja do torcedor rubro-negro que viveu os tempos áureos aflorava. Quisera eu viver isso um pouco…

De 85 para cá, com 7 anos comemorei o Brasileiro de 92, ainda sem saber ao certo a importância daquilo, vibrei com o Flamengo trazendo o melhor jogador do mundo em 1995, comecei a colecionar jornais de títulos à partir de 1996 com o gol do Marques sobre o Fluminense.

Vieram os cariocas e o Inesquecível gol do Pet de 2001, naquela altura, com 16 anos, aquele era o meu êxtase como torcedor rubro-negro. Depois de mais alguns cariocas, a Copa do Brasil de 2006 me fez achar que estava vivendo o ápice.

Mas nada se comparou à aquele domingo, 6 de dezembro de 2009, com o Hexa sendo conquistado…. sim! Bonita foi a festa do Hexa com o Imperador, o gol do Angelim no escanteio que o Pet cobrou… Ali eu explodi de felicidade e achei ter vivido o meu melhor momento como torcedor.

Veio então a Copa do Brasil de 2013 em um ano que começou talvez o momento mais importante da história contemporânea do Mais Querido. Felicidade por um lado, pés no chão do outro.

Foram 6 anos sonhando, acreditando na promessa feita lá atrás de que teríamos um Flamengo forte, brigando por títulos, temido pelos adversários, cheio de craques. E não posso negar, esses seis anos foram dolorosos, trouxeram marcas, receios, e até tiraram um pouco daquela confiança desmedida, que os adversários teimam em chamar de soberba.

Mas o rubro-negro nunca se deu por vencido, a crença e a esperança no tamanho da torcida e no peso da camisa, nos dava a certeza de que o caminho que estava sendo pavimentado, era um caminho vitorioso e sem volta.

Hoje, meus irmãos Rubro-negros, quero dizer que o nosso tão esperado momento chegou. Os títulos, são questão de tempo, estamos vendo história sendo escrita e lhes dou um conselho: Desfrutem do melhor Flamengo depois de Zico, o melhor que eu já vi jogar.

Hoje, o orgulho estampado no peito estufa a camisa que você usa para ir ao trabalho, à escola, ao passeio. Hoje, o sorriso é acessório indispensável, assim como o manto sagrado envergado no peito, pois lembra daquela tão prometida hegemonia? Você está assistindo o início dela.

Esse momento é nosso. Vamos viver nossos sonhos. Se permita ser feliz. Sendo assim, Pode gritar que é rumo ao Hepta, que Vamos em busca da América, e que venha novamente o Liverpool. Vai ser uma linda história…

Essa história é a gente que vai contar para os nossos filhos amanhã, portanto tem que desfrutar e contar detalhe por detalhe.?

Por Jerônimo Simeão Júnior.

Está Gostando do Conteúdo ? Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leitura Recomendada

Bem vindo a História do Redação