Muito investimento para pouco resultado

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

COM INVESTIMENTO MILIONÁRIO E UM DOS MELHORES ELENCOS DO PAÍS, RUBRO-NEGRO VEM ENCONTRANDO DIFICULDADES CONTRA RIVAIS CARIOCAS.

Gabigol, Arrascaeta, Bruno Henrique, Rodrigo Caio, o Flamengo investiu pesado para montar um elenco competitivo para a disputa da temporada de 2019. Tão alto quanto o nível dos reforços contratados pelo clube foi a expectativa gerada com a vinda de tais jogadores. Com o início do campeonato carioca o que se esperava era uma disparidade significativa em relação os rivais Vasco, Fluminense e Botafogo, com equipes mais modestas.

Dentro de campo, porém, a superioridade técnica não vem prevalecendo como se previa.

Até momento o Flamengo disputou sete clássicos, obtendo três vitórias, três empates e uma derrota, desempenho que tem deixado parte da torcida preocupada. Com partidas truncadas e poucos vistosas a equipe de Abel Braga tem mostrado dificuldades em se impor, e não agradou mesmo quando venceu.

BOTAFOGO

No primeiro clássico do ano disputado contra o Botafogo, no estádio Nilton Santos, os donos da casa saíram em vantagem. Após chute de fora da área e desvio de João Paulo a bola foi parar no fundo da baliza defendida por Diego Alves. O jogo se mostrava extremamente desfavorável ao Flamengo, que encontrava dificuldades para superar a retranca adversária. Até que brilhou a estrela do estreante do dia: Bruno Henrique, o atacante, que na temporada anterior havia marcado apenas dois gols com a camisa do Santos, igualou a marca. O primeiro gol foi de cabeça, após cobrança de escanteio, o segundo após bela jogada individual e finalização certeira sem chances para o goleiro Gatito Fernández.

VASCO

Contra o cruz-maltino foram dois jogos. No primeiro, com o técnico Abel Braga poupando titulares e usando uma equipe repleta de jogadores da base, houve o empate em 1×1. Na segunda, em duelo válido pela final da Taça Rio, o Flamengo voltou a poupar titulares, porém, com o reforço de alguns jogadores experientes que retornaram de lesão, casos de Rhodolfo, Vitinho e Uribe. O Rubro Negro era derrotado até os 49 minutos do 2º tempo, quando após cruzamento de Bill, Arrascaeta foi oportunista e igualou o placar. O Flamengo acabaria se consagrando campeão na disputa por pênaltis. Os clubes voltam a se enfrentar pela fase final da competição.

FLUMINENSE

Contra o tricolor das laranjeiras um duelo à parte, foram ao todo quatro confrontos, com duas vitórias rubro negras, um empate e uma derrota. No primeiro, válido pela semifinal da taça Guanabara, o Flamengo que havia conquistado a vantagem do empate, entrou com o regulamento debaixo do braço. Jogando nos contra-ataques e esperando o Fluminense, o time irritou seus torcedores. O zero a zero persistiu até os momentos finais da partida, quando após cruzamento de Yone González, Luciano finalizou de primeiro e decretou a vitória.

Os dois clubes voltaram a se enfrentar em duelo pela taça Rio. O Fluminense, pensando na Copa do Brasil, veio com uma equipe repleta de reservas. Com um início arrasador, o Flamengo abriu 3×0 no marcador, no que se desenhava uma goleada sem maiores dificuldades. Mas a partida ganhou tons inesperados de dramaticidade com a reação do tricolor, que com gols de João Pedro e Dodi encostou no placar, mas a reação parou por aí.

Mas o destino colocaria novamente a dupla FLAxFLU frente a frente, pela semifinal da taça Rio. Em jogo repleto de polêmicas em decorrência do uso do VAR. Em chute de fora da área Renê abriu o placar para o Flamengo, no 2º tempo, após cobrança de pênalti, Yone González igualou o placar para o tricolor. Quando, no último minuto da partida, com a classificação escapando das mãos, Lucas Silva sofreu o pênalti que foi convertido por Everton Ribeiro, e levou o mais querido para a semifinal do carioca, mais uma vez, contra o Fluminense.

Em mais uma disputa difícil, O Flamengo viu novamente o rival inaugurar o marcador, quando após rápido contra-ataque e cruzamento na área Gilberto cabeceou sem marcação e sem chances para Diego Alves. Mais uma vez o Flamengo não conseguia impor sua vantagem técnica. A salvação dessa vez viria do banco de reservas, Gabigol, que começou no banco para dar vaga para Uribe, entrou no lugar do colombiano no intervalo de jogo, após o atacante sentir uma lesão. O artilheiro da equipe da temporada mostrou que faz jus ao apelido, e após passe de Renê marcou o gol de empate do Rubro Negro que selou a ida do time para a final do carioca.

Dependência de jogadas individuais, gols nos últimos minutos das partidas, constantes pressões aplicadas pelos rivais. O Flamengo deixa evidente que o trabalho do técnico Abel Braga ainda tem muito o que evoluir. Uma equipe que sonha em voltar a conquistar Libertadores da América e investiu alto para isso precisa mostrar mais do que vem apresentando.

Por Leandro Conceição.

Está Gostando do Conteúdo ? Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leitura Recomendada

Bem vindo a História do Redação