Flabasquete e a responsabilidade de se manter no topo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Quando se trata de Flamengo, dificilmente conseguimos achar algo que se enquadre no meio termo. Definitivamente é céu, ou inferno. E o Flabasquete não foge a essa regra.

O clube tem uma energia que se basta. E da mesma forma que consegue alavancar heróis improváveis, proporcionalmente pode eleger históricos vilões.

O carro chefe do clube é mestre em causar esses sentimentos embaralhados na grande nação, mas outro esporte, pela competência alcançada em sua trajetória, vem sentindo o que é a responsabilidade de ser protagonista em qualquer torneio que se dispõe disputar.

O centenário basquete Rubro Negro!

O agora centenário basquete do clube, carrega nas costas, toda uma história vitoriosa desde sua criação em 1919. E essa história se mistura ao DNA de um clube, onde tudo que se propõe fazer, precisa fazer para que dê muito certo, e agrade uma torcida completamente apaixonada.

Dono de incontáveis campeonatos em sua história, o Flabasquete, possui em seu vasto currículo,  todos os títulos possíveis, que um clube brasileiro possa alcançar. A história é tão rica e longeva que o terceiro departamento criado no clube foi justamente o basquete, ficando atrás apenas do Remo 1985, e da modalidade que ajudou a massificar, e fazer do clube o que ele é hoje, o nosso tão idolatrado futebol, em 1912.

O Flabasquete detém nada mais, nada menos que o titulo do primeiro torneio disputado no país. O campeonato carioca de basquete de 1919, mas só 14 anos depois que profissionalizaram a modalidade no Brasil, e o clube deixou sua marca conquistando o tri-campeonato carioca (1933/1934/1935).

É também, do nosso Flabasquete a marca de primeiro time brasileiro, a ser campeão internacional, em 1953 pelo Torneio de campeões sul-americanos, disputado no Chile.

Dois anos depois desse feito, algo que marcou a história do clube. Foi em 1955, acompanhando a primeira partida decisiva do carioca de basquete, em um lotado Maracanãzinho, que o lendário presidente do clube, Gilberto Cardoso, começou a se sentir mal, após uma cesta magistral, pouco depois do meio da quadra, faltando três segundos do fim, quando o time perdia para o clube (Sírio Libanês). Aquela cesta decretou a virada rubro negra, mas também o começo do fim de um presidente aclamado pela nação. Horas depois do fim da partida, o coração do então presidente, que hoje da nome ao ginásio não suportou.

As Glórias do nosso Basquete!

A incrível história do nosso basquete, só cresce no decorrer dos anos. Além dos 44 títulos cariocas, e do Torneio dos campeões sul-americanos, o clube ainda detém em sua gigantesca sala de troféus, o tão sonhado titulo brasileiro de 2008, ainda organizado pela CBB, em cima do time de Brasília.  O titulo da Liga Sul americana de 2009, com uma vitória dramática em Santiago Del Estero na Argentina em cima do Quimsa por 98 x 96, com absurdos 41 pontos do ala Marcelinho Machado, em uma atuação memorável.  A Liga Das Américas de 2014 de forma invicta, em cima do até então atual campeão Pinheiros, e o Ápice desta vitoriosa história. A Copa Intercontinental de basquete, também em 2014, em cima do campeão da Euroliga (Maccabi Tel Aviv de Israel).

A Cereja do bolo, viria com o convite da NBA ainda em 2014, para o clube participar da pré temporada enfrentando assim, Pheonix Suns, Orlando Magic e Memphis Grizzlies.

Em 2015 o Flabasquete ainda jogaria o NBA Global Games mais uma vez contra o Orlando Magic, mas dessa vez na Arena da Barra no Rio de Janeiro, e 2018 o próprio Magic convidaria o clube a retornar a uma pré temporada de NBA.

Os donos do Novo Basquete Brasil

No NBB, somos proprietários.

Em 10 edições do campeonato mais importante do país, temos 5 taças em 6 finais disputadas. Ficamos de fora das semi-finais 1 única vez.

O primeiro NBB foi disputado na temporada 2008/2009. O Flamengo chegou naquela ocasião, na final, e disputou o titulo contra o Brasília em melhor de 5 jogos. O campeonato só foi decidido no jogo número cinco onde conquistamos em uma Arena da Barra abarrotada o primeiro NBB da história.

Na temporada 2012/2013 a final foi contra o Uberlândia-MG, em jogo único, ali conquistávamos nosso segundo titulo de NBB. Em 2013/2014 o confronto final seria também em jogo único contra a equipe do Paulistano-SP, sendo assim sacramentado nosso terceiro titulo. O quarto titulo de NBB viria em cima de um poderoso Bauru, em uma melhor de 3 jogos, vencemos o playoff por 2 jogos a 0, sendo o segundo, com mando de quadra do adversário. Já o nosso quinto titulo de NBB, sendo o quarto consecutivo, viria na temporada 2014/2015, mais uma vez em cima do time de Bauru, porem em melhor de 5 jogos, onde garantimos o triunfo em 3 jogos a 2.

A Evolução de um grupo!

Na atual temporada, o time vem crescendo conforme o andamento do campeonato, e ao final da fase de classificação, mostra uma nítida evolução técnica e tática oriunda de um tempo maior de treinamento tão pleiteada pelo comandante da equipe, Gustavo de Conti.

A Conquista da copa super 8 em dezembro, dentro de um Pedrocão (ginásio do Franca), lotado, foi o pontapé inicial, para dar confiança, a uma equipe reformulada, onde só haviam 3 pilares da temporada anterior! O ala Marquinhos, o ala pivô Olivinha, e o Pivô Anderson Varejão.

A equipe Rubro Negra terminou a temporada regular em 2° lugar.

Pelo regulamento do Novo Basquete Brasil as 4 primeiras equipes passam direto para as quartas de final, folgando na primeira fase dos playoffs que serão disputadas pelas equipes classificadas entre 5° e 12° lugar. Nesse período de “folga” a equipe usará para ajustar o que falta, e esperar pelo adversário da fase que sairá do confronto entre Corinthians x Brasília.

O “Orgulho da Nação”, espera contar com nosso apoio, pra levantar mais um caneco, e se distanciar mais ainda no numero de títulos, dos nossos adversários. Rumo ao topo!

SRN!

Está Gostando do Conteúdo ? Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leitura Recomendada

Bem vindo a História do Redação