Fase de grupo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Não… Fiquei maluco ainda não (talvez🤔). Tô ligado que é Copa do Brasil e que tal fase nem existe. É só uma referência ao início de um novo ciclo no Flamengo e, ao que parece desde a chegada do Rogério Ceni, tem um clima bom no grupo de jogadores.

Sou conceitualmente contra demissão de treinador no meio da temporada (como eu amo essa frase), mas… Mas… quando alguém, técnico ou jogador, ou até mesmo dirigente, destoa e não é bem aceito no grupo, o que se há de fazer? Com a diferença que cartola de uma forma geral tem certa blindagem.

O negócio aí de grupo já começou na escalação. Voto de confiança para os questionados (e com razão) Léo Pereira e Gustavo Henrique, e até Vitinho ganhou oportunidade entre os 11 iniciais. Muito bem aproveitada por sinal.

Durante o primeiro tempo o Flamengo já veio com atitude diferente, pressionando a saída de bola do São Paulo. Não exatamente com toda a intensidade de 2019, mas vá lá. Ritmo frenético sem a Nação na contenção é meio complicado mesmo.

E nem precisava tanto na noite dessa quarta. A zaga do São Paulo deu moles sucessivas vezes e toda hora a bola ficava com o Nosso Flamengo na saída deles… Só que daí a gente não aproveitou, né? Salvo engano foram umas sete ou oito finalizações contra nenhuma dos caras, e o placar saiu assim, zeradinho pro vestiário.

No retorno para o segundo tempo o placar se mexeu rápido. Gol do São Paulo com um minuto e plaquinhas levantadas aos três com o Gabigol estufando as redes, com participação do Arrascaeta (enfim) na jogada.

A intensidade não foi a mesma da primeira etapa, mas vá lá. Ainda assim o Flamengo seguiu criando e perdendo oportunidades, e o São Paulo também, esbarrando algumas vezes na competência do Hugo, que entrou no lugar do Diego Alves com câimbras terríveis.

Vou falar um negócio que vocês nunca ouviram no futebol. É ineditismo que vocês querem? Então toma: QUEM NÃO FAZ LEVA. Após desfilar competência e provar que o grupo tem dois ótimos para a posição… Hugo fez sua primeira grande lambança como goleiro do Flamengo.

Posso começar a Passar Pano? Vai que os #ForaCeni já começam a botar as asinhas de fora. Já até, como previ no Prezão, detectei um mimimi ou outro na escolha dos 11 iniciais. Flamengo fez boa partida. Nada de outro mundo, mas de qualquer forma bem melhor que nas últimas atuações. Teve atitude. O que deixa claro que o problema era o Domènec, mas não apenas pelos seus conhecimentos ou não de futebol.

Já me irritou muito essa bagaça, mas sou uma pessoa que busca sempre a paz com meu cérebro e um belo dia liguei o foda-se. Clube de futebol vira refém de jogador sim e quando o grupo não quer o técnico cai. Mas isso são águas passadas até cair o próximo.

Ceni não teve tempo pra nada. Chegou, deu entrevista, sofreu uma tentativa de constrangimento de um jornalista rubro-negro que pensa mais nos seus clicks que no Flamengo, bateu papo, fez um treininho leve e caiu pra dentro da Copa do Brasil.

Tem uma semana até o jogo da volta e um outro relativamente fácil do Brasileirão no sábado à noite (não que eu tenha esquecido quanto foi esse mesmo jogo no primeiro turno). Um tempo para o novo técnico implantar um pouco mais das suas ideias, ganhar mais ainda o grupo, e quem sabe contar com os reforços de Everton Ribeiro, Pedro e Diego Ribas. Fora o Rodrigo Caio, que em qualquer dia desses há de terminar a faculdade de medicina.

Seeeeeegueeeeee o jogo.

Bora virar essa parada.

Isso aqui é Muito Flamengo.

mercioquerido@gmail.com
Facebook e Instagram: Mercio Querido
Twitter: @sorinmercio

 

 

Está Gostando do Conteúdo ? Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leitura Recomendada

Bem vindo a História do Redação