Fake News

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Juro que eu esperava mais de você. É contigo mesmo, frequentador do BoTTeco do Flamengo. Ainda que estar sempre por aqui nessa espelunca de coluna diga um pouco sobre a sua flexibilidade no tocante à qualidade do que consome, eu não podia mesmo esperar que em pleno 2021 você estivesse por aí caindo em qualquer Fake News histérica e caça cliques.

Mas tudo bem. Não foi só você. Em vários grupos recebi “informações” de que o São Paulo teria sido atropelado pelo Bragantino. Pura Fake News, já que eu, você, todos nós sabemos que SÓ O FLAMENGO TROPEÇA E DEIXA PONTOS BOBOS PELO CAMINHO, não é mesmo?

No FLA-flu frustrante, o primeiro tempo foi daquele jeito: O Novo Normal Pandêmico do Nosso Flamengo. Muita posse de bola e, como proferiu o filósofo Renato Portaluppi dia desses, nada de levar a moça pro motel.

E tome de gol perdido. Até que pela quantidade de tempo com a bola sob nosso domínio, o volume de chances criadas poderia ter sido até maior, o que não impediu de, logo com meio segundo de jogo, o Gabi(gol) perder um que pareceu uma Fake News tanto quanto essa derrota que andam inventando do São Paulo, só pra debochar da nossa exclusiva incompetência na disputa do Brasileirão 2020.

Fora esse, teve mais bola não achando o endereço das redes adversárias: mais Gabi(gol), Bruno Henrique e Rodrigo Caio.

Mas a do Arrasca entrou. Tava até lembrando aqui do comentário que fiz no Prezão sobre a efusiva recepção dos tricolores para o Ganso tempos atrás, na qual lembravam que esse senhor jogava mais que o Arrascaeta, já que o uruguaio nunca havia jogado com o Neymar. É… É uma lógica meio confusa essa aí, mas vindo da Nobreza do Laranjal não se pode esperar muita coisa.

Na volta do intervalo o fluminenCe voltou mais empolgadinho, com a missão de tentar tirar o prejuízo e ficar mais próximo de realizar o sonho de uma vaga própria na Libertadores. Nem acho má ideia isso aí, mas não precisava ser hoje, né?  Esse povo em competição internacional é sempre divertido. Fora isso… Vai que a gente ainda dá a sorte de cair no nosso grupo.

Sei lá porque Nosso Flamengo voltou metendo o galho dentro. Os caras acabaram marcando, seguiram pressionando, meteram bola na trave… Um caos. A gente até ficou na esperança de que seria uma questão de tempo pro Flamengo retomar as rédeas do Clássico. Mas não passou de uma Fake News dos nossos desejos.

E não é que o tempo foi passando e o Flamengo continuou de galho dentro? Daí pintou o Ceni. Tascou o foda-se, tirou um zagueiro e meteu o Diego na meiúca, e lançou o Pedro no lugar do Gabi(gol). Eu era mais de deixar os dois, mas aí é lá com o professor.

Na vibe do “ou vai ou racha”… O Flamengo passou a pressionar. Sem levar exatamente o goleiro deles a uma noite de trabalho árduo, mas pelo menos dando uma folga lá pra cozinha, que nesse momento já estava jogando na base do improviso.

Roda pra lá, roda pra cá, fluminenCe entrincheirado, e nada de arremates efetivos no gol dos caras. Pintou até uma falta “perigosa” pra “nóis”, mas como o Rogério Ceni não pode entrar em campo pra cobrar… Mais uma vez não deu em nada.

E de tanto tentar… Conseguimos. Pane na cozinha e gol dos caras. Parece até Fake News, mas não é.

Já aconteceu outras vezes nessa temporada. Só jogamos um tempo, e no tempo que jogamos, não matamos o jogo. Agora o São Paulo abriu mais três pontos e complicou de vez.

Ahn? Aquele treco de goleada do Bragantino era de verdade?

Como dito no Prezão… Parece que realmente ninguém vai ganhar tudo ou perder tudo daqui até o fim. Tinha tudo pra ser melhor. Demos mole DE NOVO, mas a luta AINDA continua.

Fica com cara de que um time tá empurrando pro outro e recusando ficar com a taça-lembrança do Futebol do Apocalipse.

Bora torcer.

Isso aqui é Muito Flamengo. (contém ironia)

mercioquerido@gmail.com
Facebook e Instagram: Mercio Querido
Twitter: @sorinmercio

Está Gostando do Conteúdo ? Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leitura Recomendada

Bem vindo a História do Redação