Diego melhora o Flamengo

Diego
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Diego elevou o Flamengo de patamar. Comparando o Flamengo ao próprio Flamengo é possível ter exata noção dessa melhora. E a participação do Diego no clube durante seu ciclo vestindo a camisa rubro-negra.

Novo Flamengo

Em 2013 iniciou-se no clube a Era Bandeira de Mello, o novo presidente eleito para o triênio 2013/14/15. Essa nova direção chegou ao clube prometendo sanear a vida financeira do Flamengo. Trazendo de volta os tempos de glória ao rubro-negro, em outras palavras reduzir dívida, aumentar investimentos, montar equipes fortes e conquistar títulos. A forma encontrada para conduzir os trabalhos e realizar a promessa, foi reduzindo custos da folha salarial e investimento em atletas durante esse triênio, em conclusão, equipes modestas. A torcida entendeu a proposta e não abandonou o Flamengo, além disso, e contra todos os prognósticos, veio a conquista da Copa do Brasil em 2013, e o Estadual de 2014.
Com os resultados obtidos, somado ao cumprimento parcial em andamento da promessa de saneamento financeiro do Flamengo. Eduardo Bandeira de Mello foi reeleito para mais um triênio a frente do mais querido, no entanto, estava começando uma ‘nova era” no Flamengo. O aumento nos valores para investimento começavam a sair das planilhas financeiras e entrar em campo.

Início do ciclo

Em meados de 2016, chega ao Flamengo Diego Ribas. Jogador Campeão Brasileiro em 2002 aos 17 anos, depois disso, foram 12 anos na Europa tendo passado por equipes como: Porto (POR), Werder Bremen (ALE), Juventus (ITA), Atlético de Madrid (ESP) e Fenerbahçe (TUR). Tendo sido Campeão Nacional em cada um dos cinco países que jogou. Aos 31 anos chega com a qualidade e experiência de um legítimo camisa 10 ao clube.
Em seu primeiro Brasileiro com a camisa do Flamengo ele fez 18 jogos, marcou 6 gols e realizou 3 assistências, acima de tudo, com ele em campo foram 11 vitórias, 6 empates e somente uma derrota. Campanha individual que foi premiada como melhor meia do campeonato. Além disso colocou o Flamengo em terceiro lugar na classificação final em seu primeiro campeonato disputado pelo clube. Feito que entra pra história do Flamengo como melhor campanha (71 pts) em campeonatos de pontos corridos desde 2003, portanto melhor inclusive do que na edição de 2009 (67 pts) quando foi Campeão.

Começa 2017

Um novo ano começa, e com ele novos desafios, Flamengo disputaria a Taça Libertadores. No entanto, o calendário rubro-negro inicia-se com o campeonato carioca. Competição que o Flamengo é o clube com maior número de conquistas. Com um bom desempenho nos jogos, Diego levou o Flamengo ao título Carioca invicto, feito que desde 2011 não ocorria. Além disso, foi eleito meia na seleção do campeonato. Seu bom desempenho não se limitava somente aos jogos do estadual. Ele também estava presente no torneio internacional. Por exemplo, em seus três jogos disputados na fase de grupo converteu 2 gols. No entanto, uma lesão sofrida no jogo contra o Athlético-PR além de deixá-lo fora dos campos por dois meses,  em conclusão também interfere na qualidade do seu futebol e na confiança do atleta.

Final da Copa do Brasil

Mesmo com uma queda de produção e participação de Diego nos jogos do Flamengo, o ano continua dando oportunidades pro atleta mostrar seu futebol. Por exemplo, na semifinal da Copa do Brasil torna-se herói da classificação. Ao marcar o gol da vitória sobre o Botafogo e colocar o Flamengo na final do torneio. Ainda nessa competição, Diego teria seu dia de vilão na grande final, após dois empates nos 180 minutos disputados entre Flamengo e Cruzeiro. O campeão seria decidido nos pênaltis, e infelizmente o camisa 10 perdeu sua cobrança, em conclusão, deixamos de levar essa taça pra casa.

Final da Sul-americana

Ainda em 2017, o Flamengo chegou em outra final, dessa vez, a final da Copa Sul-americana. Havia 16 anos que o Flamengo não disputava uma final internacional. Além disso, era somente a primeira vez que o Flamengo chegava tão longe na competição. Vale mencionar que apenas entramos na sul-americana por ter sido eliminado na fase de grupos da Libertadores. Ao terminar em terceiro lugar na fase de grupos, o fracasso em uma competição poderia trazer a glória ao Flamengo em outra. Mas infelizmente não foi assim que ocorreu, portanto, terminamos 2017 com dois vice campeonatos.
No campeonato Brasileiro, o Flamengo fez uma campanha irregular e terminou em sexto lugar. No entanto, essa posição nos garantiu uma vaga na Libertadores do ano seguinte. Diego mesmo em um ano com lesão, vilão em uma das finais. Teve desempenho satisfatório no que diz respeito aos números: ele foi o artilheiro do Flamengo no Brasileiro com 10 gols marcados.

Primeira eliminação

Começa 2018 e o foco do Flamengo é a conquista de títulos. Novamente o calendário nos apresenta o Estadual como primeira competição. No entanto, o resultado final fica abaixo do esperado que era o título. Mesmo com a conquista da Taça Guanabara, uma derrota para o Botafogo na semifinal do Estadual, tira do Flamengo a chance de ser Bi-Campeão. Na Libertadores, o Flamengo consegue a classificação pras oitavas. Depois disso, o sorteio nos marcou confronto contra o Cruzeiro, clube que nos venceu na Copa do Brasil do ano anterior.

Segunda eliminação

Começa o campeonato Brasileiro e o Flamengo logo demostra ser uma equipe forte que vai brigar pelo título. São 12 rodadas até a pausa pra Copa do Mundo, foram 8 vitórias, 3 empates e somente uma derrota. Em conclusão, o Flamengo passa um mês como líder do campeonato com 4 pontos de vantagem pro segundo colocado. Ao voltar da pausa da Copa do Mundo, o ano de 2018 começa a cobrar suas decisões. Em outras palavras, jogos quarta e domingo exigem do elenco qualidade de jogo, atuações convincentes e preparo físico. Infelizmente, logo na primeira decisão, o Flamengo é eliminado pelo Cruzeiro e dá adeus ao sonho da Libertadores.

Terceira eliminação

Na Copa do Brasil, um confronto contra o Grêmio pelas quartas de final, coloca o Flamengo de frente com o atual Campeão da Libertadores. Além disso, demanda alta concentração dos atletas no jogo de volta realizado no Maracanã. Neste jogo o Flamengo e sua torcida demonstraram força, e conquistaram a vaga. Pelo segundo ano seguido o Flamengo chegava na fase de semifinal da Copa do Brasil, no entanto infelizmente não logrou êxito e foi eliminado pelo Corinthians.

Um bom Brasileiro

De volta ao Brasileiro como última chance de conquistar um título na temporada. A essa altura o Flamengo já tinha perdido a liderança da competição e depois disso estava lutando pela melhor colocação e a vaga na Libertadores de 2019. Ao final do campeonato o Flamengo estava na segunda colocação com 72 pontos conquistados, acima de tudo uma campanha que entra pra história do clube como a melhor dos pontos corridos, superando a anterior de 2016. Diego termina o campeonato com a marca de terceiro melhor assistente para finalizações; foram 50 passes para finalizações em 26 jogos (22 como titular), no entanto, somente 6 desses passes resultaram em gol para a equipe. Ele foi autor de apenas 4 gols. Um fundamento que Diego se destacou foi o de passes certos, foram 1028 passes certos e apenas 99 errados, um aproveitamento de 91,3%. veja aqui!

2019: Renovação e títulos

Estamos em 2019, e Diego tem seu contrato renovado até dezembro de 2020. Além disso, o elenco do Flamengo agora conta com a maior contratação da história do Clube, o jogador uruguaio Arrascaeta. Além do alto valor investido no atleta, ele atua na mesma posição que Diego. O que pode colocar o camisa 10 no banco de reservas. Ainda assim, ao começar o ano, ainda sem Arrascaeta no elenco. O Flamengo disputa e vence a Flórida Cup. Torneio disputado nos EUA, com Diego titular e capitão do time. Ele ergue sua primeira taça após herdar a braçadeira de capitão da equipe após a saída de Réver.
Começa o Estadual para o Flamengo com boas atuações e resultados, portanto, o rubro-negro termina com a melhor campanha da fase classificatória. O título da Taça Rio e, depois disso, sagra-se Campeão Estadual com apenas uma derrota. Diego fez 14 partidas, 3 gols e 3 assistências, conquistando seu segundo Estadual com a camisa do Flamengo. Ainda em 2019, agora atuando pela Libertadores. O Flamengo chega ao sexto jogo como líder do grupo, no entanto, ainda tem pela frente um jogo decisivo contra o Peñarol (URU) pra definir sua classificação às oitavas da competição. Diego jogou as 5 partidas e fez um gol e uma assistência.

Balanço final sobre Diego

Diego é peça fundamental do elenco do Flamengo. Em menos de 3 anos completos no Flamengo desde que chegou ao clube foram 138 partidas, 76 vitórias, 38 empates e 24 derrotas, autor de 38 gols e 19 assistências. Foram três Estaduais disputados e foi Campeão em dois deles (sendo um invicto). Foram duas Copas do Brasil com a camisa do Flamengo, uma final e uma semifinal. Além disso, são três Brasileiros, 2016 (terceiro), 2017 (sexto) e 2018 (segundo). Sendo que as campanhas de 2016 e 2018 foram as duas melhores do Flamengo na história dos pontos corridos. Em 2017 foi artilheiro do clube na competição com 10 gols. Classificado com o Flamengo para três Libertadores seguidas pela primeira vez desde a década de 80. Além disso, em 2017 chegou junto com o clube numa final de torneio internacional pela primeira vez em 16 anos.
Concordo que faltam títulos, no entanto o desempenho do Flamengo com Diego é satisfatório. São marcas importantes em campanhas de Brasileiro e Copa do Brasil. Um ineditismo que durava 30 anos, no que diz respeito a participações em sequência na Libertadores. Uma final sul-americana que foi somente a quinta de nossa história, e havia 16 anos sem ocorrer. Dois títulos Estaduais com apenas uma derrota, sendo portanto um deles invicto. Se isso é fracasso, e motivo de cobranças, sugiro olharem a história do clube, em outras palavras pode ser que nosso Flamengo tenha uma rotina mais comum sem títulos do que o contrário. Vale a reflexão.

Está Gostando do Conteúdo ? Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leitura Recomendada

Bem vindo a História do Redação