Diego: imprescindível ou questionável?

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

A discussão sobre a eficiência de Diego Ribas é, certamente, um assunto que pauta todas as discussões dos torcedores rubro-negros sobre a equipe.

Primeira grande contratação da “nova era” do Flamengo, o meia chegou com status  para ser o grande craque do time. Porém, depois de um início animador, Diego, após lesão, caiu de produção e hoje não é mais unanimidade entre os torcedores.

O início

Diego chegou ao Flamengo vindo do Fenerbahçe, da Turquia. O jogador chegou no meio da temporada e sem custos ao clube. Ribas foi recebido nos braços da torcida e com muita festa no aeroporto, o chamado “aeroFla”.

Diego chega ao Flamengo
Diego nos braços da torcida (Foto: Pedro Ainbinder)

Logo em sua estreia, em Brasília, contra o Grêmio, o meia teve grande atuação e marcou o gol da vitória Rubro-negra. Em sua segunda partida, contra a Chapecoense, marcou outro gol. O início era animador. Diego era um jogador participativo, que estava sempre com a bola no pé, agredia a área do adversário e marcava gols.

Com 6 gols e 3 assistências em 18 jogos, o jogador foi eleito o melhor meia do Brasileirão de 2016, jogando apenas o 2º turno.

A temporada de 2017 iniciou e Diego Ribas mantinha o seu nível de atuação da temporada anterior. Era o grande craque da equipe. Diego foi quem marcou o gol que encerrou o jejum de 3 anos do Flamengo sem ganhar o Vasco, em jogo válido pela semifinal da taça Guanabara.

Era impressionante como o meia conseguiu elevar o patamar da equipe. O percentual de vitórias subiu de 55,1% para 78,2%, após sua chegada.

A queda

Dentro de campo estava impossível de parar Diego. O meia assumiu a camisa 10 na libertadores e já tinha marcado um gol de falta contra o San Lorenzo. Porém, em jogo contra o Atlético-PR no Maracanã, depois de marcar um golaço da entrada da área, o jogador sofreu uma entorse no joelho direito. A lesão o deixou afastado dos gramados por 1 mês e meio.

Diego sofre lesão
Diego sofre lesão em jogo da libertadores (Créditos: Fla Imagem)

Depois disso, Diego não conseguiu manter seu nível de atuações. Fez uma temporada de 2017 bem fraca, apesar de ter marcado o gol da classificação do Flamengo para a final da copa do Brasil, em clássico contra o Botafogo no Maracanã.

Diego falha em momentos decisivos

Talvez a maior crítica da torcida do Flamengo sobre o jogador seja a falta do poder de decisão que exige de um jogador que tem o status de craque da equipe.

E as críticas não começaram à toa. Diego, de fato, falhou em momentos cruciais. No campeonato brasileiro, em confronto direto contra o Palmeiras na ilha do urubu, o meia perdeu o pênalti que daria a vitória ao Fla. Rodadas depois, em jogo contra o líder Corinthians, o Flamengo empatava em 1×1 dentro da casa do adversário. Após bela jogada tramada por Berrio e Arão, a bola sobrou nos pés do meia, que de frente para Cássio, isolou. O gol deixaria o Flamengo a 3 pontos do líder.

Mas nenhum desses lances se compara ao que aconteceu na final da copa do Brasil, contra o Cruzeiro. Após empate no Maracanã e no Mineirão, a decisão foi para os pênaltis. E Diego sentiu a pressão em sua primeira final pelo clube. O meia foi o único jogador rubro-negro a desperdiçar a cobrança. Com isso, o Cruzeiro marcou em todas e se sagrou campeão da copa do Brasil.

Diego perde pênalti
Diego após perder pênalti na copa do Brasil (Foto: Alexandre Cassiano/ Agência O Globo)

 

Temporada 2018 e quase ida para os EUA

Apesar e do péssimo 2017, Diego, ainda assim era cotado para ser um dos selecionáveis de Tite para a copa do mundo. Diante da carência de meias na seleção, o técnico declarou diversas vezes ser fã do futebol do meia.

Mas o próprio não se ajudava. Com vários problemas físicos, Diego não conseguia ter boas atuações. Se tornou um jogador com pouca dinamicidade, que prende muito a bola e sempre opta por fazer o giro em cima do marcador a arriscar um passe vertical.

O meia não conseguiu ir à copa do mundo e não negou a insatisfação ao declarar “que a seleção sentiria a falta de um jogador experiente como ele”.

Diego não fez um bom 2018. Em 48 jogos, marcou apenas 10 gols e deu 5 assistências. A sua saída parecia iminente. O contrato se encerraria em junho e o Orlando City era o provável destino.

Diego em 2019

O início da temporada de 2019 parecia o fim da era de Diego Ribas no Flamengo. Porém, em uma negociação arrastada, o Fla conseguiu a renovação do meia até dezembro de 2020.

Com a chegada de Abel e saída do capitão da temporada passada, Réver, o jogador foi quem assumiu a faixa e o posto de homem de confiança do treinador.

Diego
Em boa fase, Diego faz golaço de bicicleta contra cabofriense (Foto: Alexandre Vidal)

Diego, de fato, jogando mais próximo do gol, começa 2019 com boas atuações. Porém, nessa temporada o meia tem concorrência no banco. O uruguaio Arrascaeta, contratação mais cara da história do Flamengo, é quem pede passagem.

Para Abel, Willian Arão é titular absoluto e a briga pela vaga no meio fica entre Diego e Arrascaeta. Parte da torcida do Flamengo, já irritada com a falta de eficiência de Ribas nos últimos anos, pede a escalação do uruguaio no meio. Outros, pedem o recuo de Diego para o lado de Cuellar e a entrada de Arrascaeta no meio. E para você, torcedor rubro-negro, qual a melhor alternativa para o time? Deixe seu comentário

Por Pedro Reis

SRN

Está Gostando do Conteúdo ? Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leitura Recomendada

Bem vindo a História do Redação