2019, parte 2: A hora da verdade

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Acabou a Copa América, os jogadores tiveram mais ou menos um mês sem jogos, entre folga e inter-temporada. Agora é a hora da verdade : a hora da onça beber água, a hora que o filho chora e a mãe não ouve : a reta final da temporada. Chegamos a parte do ano em praticamente todo jogo é importante ou decisivo. Teremos jogos por três competições num período de 21 dias. Hora de ser campeão de algo grande, chega de Carioca.

Semestre com poucos jogos que valem

O primeiro semestre geralmente é chato e modorrento. Muitos jogos contra adversários de nível técnico inferior, em campeonatos que até o campeão tem prejuízo (Alô FERJ !), e poucos jogos valendo algo por Brasileiro e/ou Libertadores. São praticamente 2 meses do ano vendo o Flamengo jogar contra Cabofrienses, Olarias, Bangus em jogos que não valem nada, por campeonatos com tabela tão complicada, que é preciso fazer graduação pra conseguir entender. O ano do futebol começa geralmente em Janeiro e tirando um ou dois clássicos, geralmente o primeiro jogo importante é por volta do mês de Marco.

Foto : Alexandre Vidal/Flamengo

 

Só nesses primeiros 26 dias após a Copa América, o Flamengo fará 8 jogos. Uma média de 1 jogo a cada 3 ou 4 dias. Serão jogos por 3 competições diferentes (Libertadores, Brasileiro e Copa do Brasil), com 4 desses 8 jogos, sendo as partidas de ida e volta das duas competições de mata-mata. Se as coisas não saírem como planejado, poderemos entrar o mês de Agosto eliminado de duas competições e com apenas o Campeonato Brasileiro pra disputar até o final do ano: muito pouco pra esse elenco não ? E a distancia pro líder Palmeiras já é de 7 pontos, se tivermos um mês de julho ruim como em 2018, o ano pode acabar nesses 26 dias.

A hora da verdade se aproxima

Bom, chegou a hora da verdade. Chegou a hora do investimento em jogadores como Arrascaeta, Gabriel, Everton Ribeiro dar retorno. A torcida está impaciente e nervosa por um titulo grande, um titulo de expressão. O torcedor não aguenta mais ser o time do cheirinho, o time que investe milhões e não ganha nada. É hora de saber dosar o elenco, cada jogador dar o seu melhor, chamar a responsabilidade que lhe é de direito e trazer um troféu pra Gávea. Não podemos cair na loucura como em 2018 e achar que com o elenco que temos, dá pra encarar todos os jogos. Pra mim, querer ir com time completo em todos os jogos foi o principal fator que fez tudo ir por água abaixo ano passado.

Foto : Alexandre Vidal/ Flamengo

 

Se eu fizesse parte da comissão técnica, focaria por enquanto nas disputas de mata-mata. Digo o porque acho isso: A competição principal, o nosso foco numero 1 a muitos anos é a Libertadores, desde 1981 que não levantamos essa taca e já passou da hora de ganharmos outra. E a Copa do Brasil que por mais que seja um torneio que já ganhamos com Obina e com Hernane Brocador, um prêmio de 50 milhões de reais não é algo nada ruim. E acho que os torneios de mata-mata são mais a cara do Flamengo, sempre fomos o time do “deixou chegar”, de virar os jogos difíceis no Maracanã com o apoio da torcida, do milagre de eliminar times melhores que o nosso com o apoio da Nação na nossa casa. É como diz aquela frase escrita numa bandeira rubro-negra vista em algum lugar por aí : JOGUEM COMO BEBEMOS !

 

E você Rubro-Negro, o que acha ? Devemos ir com tudo em todos os jogos ? Focar em algum específico ? Dê sua opinião e vamos debater..

Gabriel Fareli (@gfareli)

Está Gostando do Conteúdo ? Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Leitura Recomendada

Bem vindo a História do Redação